quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Postado por Chayanne Gonçalves às 05:22
Me envolvo com palavras, com ações que só pode sair de você, sabe tão bem de mim, me conhece como ninguém , me traduz com um olhar, me assusta quando pede pra que eu pare de chorar sem ao menos ver, aquelas lagrimas teimosas que escapam sem ao menos eu perceber, você percebe. É assim você pra mim, além da saudade a certeza do amor puro e sem fronteiras, além do gosto amargo da solidão a certeza do doce sabor do teu beijo. Me deixo levar seguindo teus passos, os poucos rastros que você me permite vê. Na anciedade da sua chegada, encontro a certeza que em suas mãos estarei sempre segura, sem medo de ser eu mesma, sem medo de saber tuas seguranças e inseguranças.

E que a verdade seja dita:

Há quem diga que a distância atrapalha e que por causa dela o amor não existe, mas é por causa da distância que... os beijos começam a ser sonhados, e os abraços tão desejados, os encontros tornam-se desejados, o coração passa a ser um só, a solidão pode até bater em sua porta mas a certeza de ter um ao outro, acaba qualquer solidão. Os planos começam a ser feitos com a certeza de que serão cumpridos, e pensar que estão um em cada canto do mundo, é como se estivessem juntos o tempo inteiro as palavras valem muito, valem tudo, são ditas com a certeza da resposta, a felicidade é grande mas não é medida por dias nem anos mais por instantes. Podem haver milhões e milhões de Km's. Mas o amor consegue ser um bilhão de vezes maior, a distância, é algo que só quem consegue superar entende o valor de uma foto ou de uma carta, só quem vive...  Sabe o valor de um verdadeiro amor!
91316857, Ekaterina Nosenko /Flickr
Por mim, pegaria o primeiro avião...

3 comentários:

Bruu on 12 de janeiro de 2011 14:37 disse...

to perdendo alguma coisa?

Mariana Vargas on 13 de janeiro de 2011 14:18 disse...

Provavelmente...

Bruu on 18 de janeiro de 2011 12:11 disse...

Best, best,
ta aguçando minha curiosdade
haahahaahha

 

Chayanne Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos